DO DILEMA AO IMPASSE

Matéria publicada na Folha de São Paulo, no dia 02 de setembro de 2001.
O uso de sequestro para obter dinheiro, puro e simples, teve impulso no Brasil desde meados da década de 80.
O marco foi o do banqueiro Antônio Beltran Martinez, em novembro/dezembro de 1986, até então o mais longo (41 dias).

O dilema de publicar ou não o fato quando ainda em andamento frequentou as redações da imprensa naqueles anos. Ajuda ou atrapalha? Segue-se ou não o pedido da polícia, ou da família?

De lá para cá, não se pode dizer que o dilema deixou de existir na cabeça de cada jornalista sempre que algum evento desse tipo ocorre, mas a verdade é que os meios de comunicação, cada qual a seu modo, acabaram por adotar políticas mais ou menos definidas sobre o assunto.

Foi o que se expressou no caso da família Abravanel, cujo desfecho aconteceu de forma inusitada na última quinta-feira.

A Folha e o "Estado de S.Paulo", por exemplo, tiveram a mesma posição.

Nada publicaram, em respeito ao pedido feito pela família, salvo após o desenlace do caso.
O "Jornal do Brasil" e "O Globo", do Rio, fizeram o contrário: publicaram a ocorrência apesar da demanda da família.

Há quem apregoe algo intermediário. Implicaria, por exemplo, publicar o fato de modo sucinto e anunciar, ao mesmo tempo, que o veículo não noticiará mais nada até a conclusão.

Por trás de cada uma dessas posições, deixe-se claro, está o mesmo fim: evitar a morte do refém, buscar uma conciliação entre vida e informação, direito da sociedade à informação e risco de morte do refém; interesse público e sobrevivência individual.

Não é fácil apontar o certo e o errado, o mais ou menos ético, como numa suposta competição deontológica. Treze ombudsmans de diferentes países que consultei (incluindo EUA e alguns da Europa) foram unânimes em apontar a dificuldade que seus jornais encontram para solucionar tais problemas.

No caso da Folha, a definição consta de seu "Manual" desde a versão de 1984: "A Folha publica tudo o que sabe. Em casos excepcionais admite não publicar informações cuja divulgação coloque em grave risco a segurança pública, a segurança de uma pessoa ou de uma empresa". Com pequenas modificações, esse texto prevalece nas versões posteriores do manual, até hoje.

O título de artigo publicado no jornal em 11 de agosto de 1989 pelo advogado e então articulista Luís Francisco Carvalho Filho afirma: "Dever de informar pode ser sacrificado em nome da segurança do sequestrado".

Desse ponto de vista, independentemente de que a divulgação possa, em hipótese, auxiliar o trabalho da polícia (por possibilitar denúncias anônimas, por exemplo), o inerente risco de morte em crime de sequestro, aliado à imprevisibilidade das reações de um sequestrador, basta para omitir a informação.

O jornal, não tendo por vocação constituir um apoio a operações policiais, publica ao final do evento aquilo que apurou e explica, ao leitor, o motivo do procedimento.
Foi por concordar com essa visão, aliás, que não abordei o assunto na semana passada.

Show de jornalismo
Mas o caso Abravanel, em especial nas sete horas em que Silvio Santos ficou refém de Fernando Dutra Pinto, na quinta-feira, trouxe outro problema de fundo para a imprensa.
Não um dilema de certa forma regulamentado, com razoável jurisprudência, mas um verdadeiro impasse: qual é a função do jornal impresso numa cobertura como essa?
Rádio, televisão e internet cobriram os acontecimentos minuto a minuto durante mais de oito horas. Fato sintomático, extraordinário, redes de TV chegaram a abrir mão de espaços publicitários para manter o noticiário no ar.

Em que pesem informações desencontradas e certo exagero na "espetaculização", houve, sim, um show de jornalismo.
O problema, para os jornais, foi justamente esse: o que trouxeram de novo em relação aos outros meios nas edições de sexta-feira? Uma leitura atenta constatará, infelizmente, que, apesar do esforço, não somaram quase nada.

Além de publicarem informações às vezes conflitantes, como aconteceu com as TVs ao vivo, preocuparam-se, acima de tudo, com uma reprodução dos fatos, já acompanhados pelos próprios leitores no dia anterior. Prato requentado, odor de "déjà vu".

Eis a encruzilhada do jornalismo diário impresso. Ele precisa buscar novas formas de dar conta das necessidades de seus consumidores, que são também consumidores dos meios de informação imediata. Descobrir, decifrar essas necessidades específicas e próprias.

Como se diferenciar?
Faltou análise, faltaram entrevistas exclusivas, enfoques criativos. Faltou o confronto de perspectivas.

O que aconteceu dentro da casa do dono do SBT naquelas sete horas? Uma câmera não podia entrar lá, mas uma apuração profunda poderia "arrancar" como e o que de fato sucedeu ali.
Trata-se de um problema de seletividade, de qualidade da informação, não de quantidade.
Mal ou bem, para um lado ou outro, as empresas, enquanto instituições - apesar das dúvidas e divergências que possam persistir entre os indivíduos que as compõem -, solucionaram, após discussão, o dilema sobre divulgar ou não sequestro em andamento.
Mas esse impasse de conteúdo, referente à razão de ser dos jornais, impasse inflado pelo crescimento do "tempo real" na internet, está longe da superação.
É verdade que no Brasil a circulação de jornais vem crescendo. O que se discute aqui, porém, é a natureza desse meio. O que ele quer de si próprio?
Ou as redações encaram a polêmica, aprimorando suas prioridades, ou a utilidade do jornal de papel continuará a definhar.
Folha de S.Paulo - Do dilema ao impasse - 02/09/2001
OMBUDSMAN - Do dilema ao impasse - BERNARDO AJZENBERG

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FUNÇÕES DO SETOR PÚBLICO

CONCEITOS: CAPITALISMO, SOCIALISMO, COMUNISMO E ANARQUISMO

ALGUMAS QUESTÕES SOBRE SEGURANÇA PRIVADA