Gestão estratégica da informação e inteligência competitiva

STAREC, Cláudio; GOMES, Elisabeth; BEZERRA, Jorge (Orgs.). Gestão estratégica da informação e inteligência competitiva. São Paulo: Saraiva, 2005. 351p.

Gestão estratégica da informação e inteligência competitiva acaba de ser lançado pela Editora Saraiva em coletânea organizada por Cláudio Starec, Elisabeth Gomes e Jorge Bezerra e testemunha competência, garra administrativa e empreendedora, pois coordenar vinte e três autores expondo idéias e conhecimentos é desafiador. Eles desincumbem-se da tarefa com maestria. Some-se à oportunidade da publicação da obra, especialmente porque gestão de informações e sistemas de inteligência integram hoje, a vida de profissionais das mais diversas organizações. Seus autores, professores, pesquisadores e consultores, têm em grande parte ligação muito estreita com a Universidade Federal do Rio de Janeiro e com a Fundação Getúlio Vargas. Outro número menor teve por algum tempo de suas vidas, pouso na Universidade Federal da Paraíba. O lançamento em João Pessoa e resenha em periódico desta Instituição é uma das formas de nos mantermos atualizados e condiz com atividades de formação.
O livro debate o significado da gestão estratégica da informação nas organizações, discutindo formas de estimular o fluxo, entendendo que quando alguém explicita uma idéia, quando representa o conhecimento em linguagem verbalizada e impressa, em imagem, som ou gesto, isto se chama informação cuja condição primordial é a de harmonizar o mundo. É a informação gerida para ampliar conhecimento, para criar formas inteligentes de inovações de produtos e/ou de processos e possibilitar a tomada de decisão em tempo real, visando permanentes melhorias no ser humano e nas organizações. É conhecimento explícito que ao circular numa organização é utilizado estrategicamente para buscar, propor, e alcançar vantagens que as concorrentes ainda não se aperceberam.
A obra está subdividida em cinco partes! Informação e Sociedade, a primeira conduz ao criador, no qual, em sua privacidade, na sua “solidão fundamental” ocorrem mutações provocadas pela informação, permitindo a esse autor/criador transmutá-la em nova informação e torná-la pública, a um receptor individual, ou a uma coletividade. É uma ação, considerada a única atividade da condição humana que só pode ser exercida com outros homens. É a condição política do homem na terra, como nos faz ver Aldo Barreto.
Do fluxo e da ação provocadores das transmutações, denominadas inteligência empresarial, inteligência corporativa, inteligência competitiva e inteligência econômica nos fala Lena Vânia e utiliza Orozco (1999) para conceituar inteligência corporativa, aquela que retrata o presente o analisa e facilita o manejo do futuro, mediante a utilização de fontes de informação e de ferramentas da Ciência da Informação. A análise do futuro inclui inteligência competitiva, inteligência sobre os concorrentes e o monitoramento do meio.
Para a concretização do fluxo há que se vencer os fatores intervenientes ou as barreiras sobre as quais Isa Freire nos brinda. Ela o faz com propriedade, usando Lucien Goldman para quem há informações que não se coadunam com as características de determinados grupos. Em seguida com base nas barreiras de Wersig, desenvolve seu estudo chamando a ordem os profissionais da informação a quem caberiam a responsabilidade social de definir estratégias para a comunicação da informação.
Faço coro com Cláudio Starec para relembrar que dentro de uma organização saturada de informações, é necessário tratá-las com a seriedade e os cuidados dispensados aos outros recursos, sob pena de colocar em risco a sobrevivência da organização. Esse, o tom inicial do livro! Óbvio, seus autores provêm da Ciência da Informação.
Passemos aos administradores, economistas, engenheiros e advogados que compõem as demais partes. Daniel Roedel nos diz que para introduzir os conceitos de inteligência competitiva e monitorar o ambiente externo são necessários o planejamento e a definição de estratégias. A criação de sistema de inteligência competitiva compreende coleta, tratamento, análise e disseminação da informação sobre as atividades dos concorrentes, fornecedores, clientes, tecnologias e tendências gerais dos negócios. Forma-se um ciclo favorecido pelas redes de comunicação de informações, tornando o conhecimento vantagem competitiva, potencializando a aprendizagem e a formulação de estratégias, aumentando a competitividade da empresa. Forma-se sistema de comunidades de prática no qual compartilham-se compreensões acerca do que se faz e o que isso significa em suas vidas e ambientes, originando a interação social entre os membros. Porém, tudo depende de que sejam planejados alvos, estratégias, objetivos e desenhados projetos que tenham o foco dirigido para a visão e a missão da organização. Pois como nos ensina Jorge Bezerra o planejamento estratégico da informação é a grande diferença entre uma empresa viva e outra que apenas sobrevive.
Modelo de arquitetura empresarial é o que propõe Marcelo Camargo, baseado no conceito de loop fechado, que extraia o maior proveito dos sistemas de informação e resulte em alicerce para a construção de resultados na empresa, que utilize todo conhecimento gerado, estocado em bases de dados, circulando na empresa para socializar as melhores práticas, registrar erros e insucessos e aprender com novos projetos.
Uma análise das semelhanças e diferenças das proposições de gestão de conhecimento desenvolvido por vários autores é o que Terezinha Angeloni utiliza para aperfeiçoar o modelo, desenvolvido por ela em 2002, em livro também publicado pela Saraiva. Com isto demonstra o dinamismo da informação e por via de conseqüência que o conhecimento promove no indivíduo e na organização. Isto altera a hierarquia de poder, altera a cultura organizacional, sendo necessário estar consciente e preparado para tal. É do que nos falam Elisabeth Gomes e Fabiane Braga ao identificar etapas de um sistema de inteligência competitiva, atentar para as questões legais e éticas ao tratar com informações confidencias, sigilosas, de domínio público e com a evasão de informações de dentro para fora da organização. A propriedade intelectual também se acha presente na publicação, abordada por Deana Weikersheimer (2005) ao destacar os procedimentos técnicos e os conteúdos que devem ser protegidos e amparados por normas legais.
A parte IV está dedicada aos recursos humanos e são focalizados desde o treinamento - Sergio Behnken - como atribuições do gerente, do analista e do coletor de inteligência competitiva, além do perfil desse profissional por Elaine Marcial. Enquanto Durval Meirelles, numa perspectiva econômica, nos faz ver que no nível individual a preparação contínua do ser humano aparece como resposta a Economia do Conhecimento e que a produção de inovações pode alcançar maior êxito usando-se estratégias coletivas. Novas formas de cooperação entre as empresas e redes, investimentos em pesquisa, um relacionamento mais azeitado entre universidade/empresa, adoção de incubadoras empresariais, formação de clusters, formariam um sistema de inovação nacional ou coletivo como proposto.
As questões de segurança da informação são abordadas por meio do planejamento da inteligência e da contra-inteligência competitiva exemplificados por Marta Sianes. Marcos Sêmola apresenta uma equação dos componentes dos riscos da informação e Vânia Araújo faz ver que o gigantismo das bases de dados registra informação errada, obsoleta, duplicada e irrelevante. Tópico sobre o qual há pesquisas na Ciência da Informação sendo desenvolvidas por Capurro e Wersig ao que chamam apropriadamente de desinformação.
Os vinte e três autores de Gestão estratégica da informação e inteligência competitiva são unânimes em enfatizar a importância da informação, numa gradação. Cada capítulo acrescenta um ingrediente novo, um novo conceito, um modelo de gestão, uma estratégia a ser perseguida. Recentemente, numa ocasião em que não cabia debate, ouvi que o mercado para o profissional da informação está saturado! Concordo em gênero, número e grau, se, e somente se, estivermos referindo a todo e qualquer profissional acomodado, sem percepção de que inovação é sinônimo de mudança! De que mudanças ocorrem em ritmo acelerado em todos os sentidos, direções e níveis! De que há conceitos novos a serem aprendidos, apreendidos e colocados em prática! De que hoje, como antes, e Paulo Freire não nos deixa esquecer o homem não pode estar sozinho no mundo! Ele tem que viver com os outros, compartilhando espaços, tecnologias, informações, trocando experiências. Anielson Barbosa nos fala de competição para a competência. Isto só se realiza unindo esforços, habilidades, conhecimentos para administrar uma organização com modernidade.
Tentei oferecer uma visão ampliada. Reafirmo: a obra é interessante para as áreas que têm a informação como ingrediente imprescindível. Por isso vale a pena conferir e investir nesse conhecimento explicitado.

Joana Coeli Ribeiro GarciaDoutora em Ciência da Informação pela UFRJ/IBICT, Professora do Departamento de Biblioteconomia e Documentação, da Universidade Federal da Paraíba

______________________________

CONCEITO

A Inteligência Competitiva começou a ser adotada pelas empresas no início dos anos 80, como uma resposta às novas exigências de um mercado globalizado e de acirrada concorrência. Os sistemas de inteligência competitiva estão sendo considerados como um passo a mais no desenvolvimento dos programas de qualidade e produtividade. A produção orientada para as necessidades do consumidor não é suficiente para garantir o sucesso da empresa, a monitoração da concorrência e das novas tecnologias é de fundamenta importância para que a empresa possa identificar as ameaças e antecipar oportunidades que lhe permitam conquistar uma posição competitiva favorável.
Segundo Martinet & Marti, a Inteligência Competitiva tem seu início nas décadas de 70-80, apresentando um crescimento bastante grande na década de 90, devendo alcançar sua maturidade e reconhecimento no início do próximo século.
As facilidades que estão sendo proporcionadas pelos avanços da tecnologia da informação, tanto em relação ao aumento da capacidade de armazenamento e processamento de grandes volumes de informações de forma cada vez mais rápida e a custos menores, assim como em relação ao vertiginoso desenvolvimento das comunicações (Ex: Internet), estão representando uma força no desenvolvimento dos sistemas de inteligência competitiva.
A Inteligência Competitiva vem sendo tratada no Brasil também como Inteligência Empresarial, Inteligência de Marketing e Gestão Estratégica do Conhecimento; nos Estados Unidos como Technology Watch, Competitive Intelligence System, Business Intelligence, Competitor Intelligence; e na França, Veille Technologique, Intelligence Economique, Intelligence Concurrencielle.
São apresetados, a seguir, alguns conceitos de Inteligência Competitiva, que estão sendo adotados por especialistas no assunto:
· A Inteligência Competitiva é um programa institucional sistemático para garimpar e analisar informação sobre as atividades da concorrência e as tendências do setor específico e do mercado em geral, com o propósito de levar a organização a atingir seus objetivos e metas. (Kahaner,1996 )
É uma atividade de gestão estratégica da informação que tem como objetivo permitir que os tomadores de decisão se antecipem sobre as tendências dos mercados e a evolução da concorrência, detectem e avaliem ameaças e oportunidades que se apresentem no seu ambiente para definirem as ações ofensivas e defensivas mais adaptadas às estratégias de desenvolvimento da empresa. (Jakobiak, 1996)
Processo de coleta, analise e disseminação da inteligência relevante, específica, no momento adequado, referente às implicações com o ambiente do negócio, os competidores e a organização. (Miller, 1997)
Informação que garante ao tomador de decisão que a empresa ainda é competitiva... a inteligência é o cão de guarda da competitividade, não um apreciador passivo dos competidores... Inteligência competitiva ou inteligência empresarial é uma ferramenta do líder da empresa, uma competência central resultante de uma visão ampla da empresa em relação ao concorrente, que busca explorar incessantemente seus pontos fracos, ao mesmo tempo em que frustra surpresas competitivas. Está colocada de forma ótima no contexto da meta estratégica para deslocar o melhor ou permanecer o melhor em um segmento industrial ( Ben Gilad, 1996)
Processo sistemático de coleta, tratamento, análise e disseminação da informação sobre atividades dos concorrentes, tecnologias e tendências gerais dos negócios, visando subsidiar a tomada de decisão e atingir as metas estratégicas da empresa. (Coelho, 1999)
Entende-se portanto, que a Inteligência Competitiva atua como um radar para a empresa, proporcionando-lhe o conhecimento das oportunidades e ameaças identificadas no ambiente, que poderá instruir suas tomadas de decisão, visando a conquista de vantagem competitiva.
A Inteligência Competitiva pode ser utilizada com as seguintes funções na organização: como ferramenta para gestão da inovação tecnológica; como instrumento para tomada de decisão; e ainda como forma de agregar valor à função de informação.
Miller apresenta o modelo de Inteligência Competitiva, que vai do dado - considerado como matéria-prima bruta, dispersa -, passa pela informação - que é o dado dotado de relevância e objetivo e pressupõe a existência de uma estrutura organizada - e chega até a inteligência - onde a análise fornece ao tomador de decisão elementos para a ação.
A unidade básica de um sistema de inteligência competitiva é o ciclo de inteligência, o qual, segndo Miller, corresponde as seguintes etapas:
Identificação dos tomadores de decisão e de suas necessidades;
Coleta de informação apropriada;
Análise da informação e geração de inteligência;
Disseminação da inteligência para os tomadores de decisão; e
Avaliação dos produtos e processos da inteligência.


ENTIDADES
Dados referenciais / cadastrais sobre as entidades, especificados através dos seguintes itens de informação: identificação, objetivos, produtos e serviços, endereço e informações complementares.
Estão incluídas as universidades, nacionais e estrangeiras, que têm grupos ou núcleos de pesquisa na área de inteligência competitiva, não necessariamente oferecendo cursos regulares de pós-graduação nessa área.
UNIVERSIDADE

Nacionais
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ - PUC/PR
Núcleo de Excelência em Gestão Estratégica do ConhecimentoObjetivos: Implementar o Programa de Capacitação em Gestão Estratégica do Conhecimento - Master on Business Intelligence Management, que prepara o executivo para gerir, criar ou investir em negócios – processos, produtos e serviços – voltados a um mundo globalizado, dinâmico e integrado pela tecnologia da informação e comunicação.Produtos / Serviços: Capacitação de recursos humanos.Endereço PUC/PR - Campus de Curitiba - Prédio da Administração - 9º andar - CEP: 80215-901 - Curitiba (PR) Tel: (041) 330-1377 - Web: http://www.pucpr.br/

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnBEscola de Empreendedores - Núcleo de Inteligência CompetitivaObjetivos: O Núcleo de Inteligência Competitiva se constitui numa unidade da Escola de Empreendedores do CDT/UnB, responsável pela busca de novas oportunidades no mercado, que dinamizam a disseminação da Inteligência Competitiva no meio acadêmico e empresarial.Produtos / Serviços: Oferece uma série de eventos - cursos, seminários, palestras e workshops, assim como publicações sobre o tema. Disponível pela Internet, desde julho de 1999, o documento "Inteligência Competitiva - estratégia para pequenos negócios".Endereço UnB/Faculdade de Tecnologia - Módulo A-4 - CEP: 70919-970 - Brasília - DFTel (061) 347-0617 FAX: (061) 274-5918 - Web: http://nic.cdt.unb.br/ - E-mail: empreend@cdt.unb.br

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - UFMG
Escola de BiblioteconomiaPrograma de Pós-Graduação em Ciência da InformaçãoProdutos / Serviços: : Oferece a disciplina "Gestão da Informação Tecnológica", como parte do programa do Curso de Mestrado em Ciência da Informação. Endereço Av Antônio Carlos, 6627 - salas 2003/2007 - Pampulha - CEP: 31270-901 - Belo Horizonte - MGTel: (031) 499-5207

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ
Centro de Referência em Inteligência Empresarial - CRIE Objetivos: O CRIE nasceu em 1997 e está vinculado ao Programa de Engenharia de Produção da COPPE UFRJ, na área de Inovação Tecnológica e Organização Industrial. Tem como objetivos: induzir uma cultura nacional de inovação e empreendedorismo; prover serviços interativos de inteligência competitiva e vigilância tecnológica e mercadológica; e capacitar empresários, pesquisadores, investidores e formuladores de políticas em inteligência empresarial. Reúne informações sobre a Rede de Gestão do Conhecimento e Inteligência Empresarial - COMPET.NET.Produtos / Serviços: Desenvolve projetos nas áreas de inteligência empresarial, gestão do conhecimento, tecnologia da informação, empreendedorismo e educação presencial e à distância.Endereço: UFRJ/Centro de Tecnologia - Bl. I 2000 - Sala MT 05 - Ilha do Fundão - CEP: 21945-970 - Rio de Janeiro (RJ)Web: http://www.crie.coppe.ufrj.br/

-UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS
Programa de Pós Graduação em Administração- PPGAGrupos de Estudos em Sistemas de Informação e de Apoio à Decisão- GESIDObjetivos: Grupo consolidado desde 1993, objetiva a realização de estudos e pesquisas conjuntas universidade - sociedade, centrando seu interesse na análise dos processos de decisão nas organizações e na contribuição das técnicas quantitativas e qualitativas de modelagem, no estudo do processo de apoio à decisão (individual e coletiva) baseado em tecnologias de informação e no estudo e desenvolvimento de sistemas de informação.Produtos / Serviços: A linha de pesquisa do GESID versa em torno do eixo informação-decisão, abrangendo o processo decisório; o uso estratégico e impacto da tecnologia da informação; a inteligência competitiva; a vigília estratégica, tecnológica e concorrencial; os sistemas de informações gerenciais (aplicados à áreas como Marketing, Agropecuária, Construção Civil, Saúde, Transportes, etc.), os sistemas de apoio à decisão individual e para grupos, os sistemas de informações executivas (EIS); os centros de informações (núcleos de suporte em microinformática); a informática pelo usuário final (com geração de interfaces; e o planejamento de informática.Endereço: Av. João Pessoa, 155 - Sala 112 - CEP: 90040-000 - Porto Alegre (RS)Tel: (051) 316-3674 FAX: (051) 316-3697

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - UFSC
Núcleo de Inteligência Competitiva para Pólos EconômicosObjetivos:: Coletar, validar e analisar dados e informações econômicas e sociais referentes aos setores produtivos, a fim de dar suporte com informações estratégicas, aos agentes econômicos e instituições locais em suas respectivas atividades, bem como identificar condições e ações necessárias para impulsionar o desenvolvimento econômico-social do pólo.Web: http://www.cfh.ufsc.br/

CENTROS DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO
Nacionais-Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia- IBICTÁrea de Atuação: Oferece curso de pós-graduação lato sensu e cursos de curta duração sobre inteligência competitiva. coordena uma Lista de Discussão na Internet sobre o tema.
Instituto Nacional de Tecnologia - INT
Divisão de Informação TecnológicaÁrea de Atuação: Instituto de pesquisa público federal pertencente ao Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT. Presta serviços para empresas na área de monitomento tecnológico e oferece programa de educação continuada em Tecnologia de Gestão do Conhecimento. Responsável pela criação do primeiro Curso de Especialização lato sensu em Inteligência Competitiva do país, em 1997. Web: http://www.int.gov.br

Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo- IPT -Centro de Informação Tecnológica- CITEC
Àrea de Atuação: Serviço de Prospecção Tecnológica - consiste na realização de atividades permanentes de observação e análise dos ambientes científicos, técnicos / tecnológicos e dos impactos econômicos presentes e futuros a fim de deduzir ameaças e oportunidades de desenvolvimento da empresa. Neste sentido, o CITEC está apto a desenvolver e transferir para a empresa metodologias, sistemas de monitoramento através de busca em bases de dados, exploração de informações em fontes informais, treinamento de recursos humanos para usos de ferramentas de acesso, recuperação e análise de informações para monitoramento, consultoria para concepção de sistema de prospecção tecnológica na empresa. Tel: (011) 3767-4138 / 3767-4201 / 3767-4237 - FAX: (011) 3767-4081 e (011) 3767-4011
Web: http://200.18.106.107/ncitec/serv3.html E-mail: citec@ipt.br

Estrangeiros-Centre de Recherches Retrospectives de Marseille -CRRM
Àrea de Atuação: Centro de Pesquisa pertencente à Université de Marseille VI. Desenvolve ferramentas (software) para análise automática de informações, como o Dataview, Datalist, entre outros. Desenvolve pesquisas e oferece cursos de curta duração na área de veille technologique e information stratégique. Oferece também cursos de pós-graduação (mestrado e doutorado) em Ciência da Informação nessas áreas de concentração. Web: http://crrm.univ-mrs.fr/

Centre de Recherches Public Henri Tudor- CRPHI-Centre de Veille Technologique - CVTÀrea de Atuação: O CVT é um departamento do CRPHI dedicado ao desenvolvimento tecnológico e inovação. São objetivos do CVT sensibilizar as empresas regionais e nacionais para a importância crescente da informação industrial e assisti-las na implementação de seus processos de gestão da informação. O CVT iniciou suas atividades em 1994, como um projeto piloto numa iniciativa da Divisão de Propriedade Intelectual do Ministério da Economia de Luxemburgo, em cooperação com o Escritório Europeu de Patentes (EPO). Tem como finalidade assistir as empresas regionais e nacionais na busca, obtenção, tratamento, análise e gestão da informação científica, técnica e econômica.Contato Dr. Serge Quazzotti (Manager of Technology Watch)
Web: http://www.cvt.lu/

BIBLIOTECAS VIRTUAIS
Biblioteca de Inteligência Empresarial
Organizador:
Centro de Referência em Inteligência Empresarial (CRIE) / UFRJConteúdo: Reúne 103 títulos nas áreas de inteligência empresarial, gestão do conhecimento, inovação e empreendedorismo. Permite a busca na Internet por título, autor e palavra-chave.
Biblioteca Virtual de Competitividade
Organizadores: Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP e CNPq (PROSSIGA) Conteúdo: Disponibiliza uma seleção abrangente de links, nacionais e internacionais, classificados por assuntos e instituições, com comentários sobre as respectivas características, que permitem ao seu usuário o acesso rápido a uma vasta gama de informações relacionadas com o tema "competitividade", entre elas informações sobre inteligência competitiva.
Competitive Intelligence Organizadores: Centre de Recherche Retrospective de Marseille - CRRM, Fisk University e Stanford UniversityConteúdo: Biblioteca virtual que disponibiliza sites de instituições, softwares, bibliotecas e publicações na área de inteligência competitiva. Aceita comentários sobre links existentes e sugestões para inclusão de novos.
Expert and Speaker DatabaseOrganizador: Society of Competitive Intelligence ProfessionalsConteúdo: Oferece um banco de dados contendo informações sobre especialistas e palestrantes na área de inteligência competitiva. Seu sistema de busca permite selecioná-los pelo nome, país de origem, tópico ou por uma combinação desses critérios. Profissionais da área podem divulgar gratuitamente seus serviços. Web: http://www.scip.org/speakers/
The Official Intelectual Capita Home PageOrganizador: Nick Bontis (Institute for Intelectual Capital Research)
Conteúdo: capital intelectual e gestão do conhecimento. Oferece links para referências de autores, pesquisadores, empresários, ferramentas e eventos sobre esses asuntos.
Web http://www.business.mcmaster,ca/mktg/nbontis/ic/ - E-mail: nbontis@mcmaster.ca

ASSOCIAÇÕES / SOCIEDADES
-Society for Competitive Inteligence Professionals - SCIP
Descrição: Criada em 1986, dedica-se a reunir e assistir profissionais da área de Inteligência Competitiva, promovendo eventos como seminários, congressos e cursos internacionais, assim como editando publicações sobre o tema. Destaca-se a publicação periódica (trimestral)
Competitive Intelligence Review-CIR. Web: www.scip.org E-mail: postmaster@scip.org
-Society for Competitive Inteligence Professionals - SCIP / Capítulo Brasileiro
Descrição: A primeira reunião do Capítulo Brasileiro da SCIP foi realizada em São Paulo, em 16 de abril de 1999. Estiveram presentes representantes das seguintes empresas: Promon, Uniban, Hewlett Packard, Kaiser Associates, Kroll Associates, IBC do Brasil, Transformmo, Door to Door e AvonObjetivos: Trocar informações, experiências e estar atualizado com as mais avançadas técnicas e softwares para o desenvolvimento do profissional que trabalha com Inteligência Competitiva no Brasil.Coordenador: Alfredo Passos E-mail: passos@amcham.com.br
EMPRESAS DE CONSULTORIA
Nacionais

-Ênfase Consultoria LTDA
Serviços: Tecnologia, processos e conceitos sobre gerenciamento estratégico de empresas..Endereço: R. Dr. Amaseu da Luz, 122 - Conjunto 21 CEP: 89010-160 - Blumenau - SCTel: (047) 322-6324Fax: (047) 322-4203 E-mail: elcio@braznet.com.br
-Finich Marketing – Informação e Inteligência Competitiva
Serviços: Desenvolvimento de sistemas de informação de marketing; consultoria em marketing e planejamento estratégico; implantação de sistemas de inteligência competitiva; estudos de viabilidade econômica para novos empreendimentos; avaliação de produtos existentes e avaliação de clima organizacional.Endereço: R. Xavantes, 72 – CEP: 13335-530 – Indaiatuba (SP)Tel/Fax: (019) 233-3944 - Web http://www.correionet.com.br/
E-mail: finch@correionet.com.br
-Informal Serviço e Consultoriaem informática LTDA
Serviços: Presta serviços em gestão do conhecimento, datawarehousing, soluções em Internet/Intranet e integrações de ambiente heterogêneos.
Estrangeiras
Consultoria Biomundi/ IDICT
Serviços:Presta serviços de consultoria na área de biotecnologia (farmacêutica e agrícola). Edita publicações sobre o tema: Biociências em Cuba (Base de Dados), diretório eletrônico contendo os perfis corporativos de mais de 300 organizações nacionais e estrangeiras radicadas em Cuba, relacionadas com o setor médico-famacêutico e com a indústria biotecnológica.Endereço: Calle 200 Nº 1922 e/ 19 y 21, Atabey, Playa, Ciudade de La Habana, Habana 11600, Cuba.
Fuld & Company INC.
Descrição: Empresa pioneira na área de inteligência competitiva, fundada em 1979 por Leonard M. Fuld, reconhecido especialista na área, é sediada em Cambridge, Massachusetts (USA), e tem empresas afiliadas em outros países. Presta os seguintes serviços de consultoria para empresas: pesquisa e análise; treinamento e seminários; projeto de processos de inteligência. Edita livros relevantes sobre inteligência competitiva.Contato: Leonard M. Fuld (lfuld@fuld.com)
Wincite Systems
Descrição: Provedor de serviços e software especializados em business intelligence e knowledge management. Empresa fundada em 1987, tem grande experiência no desenvolvimento, implementação e manutenção de bases de dados customizadas em aplicações para suportar a busca, organização e distribuição de inteligência na empresa. Desenvolveu o software WINCITE, para ambiente windows.Endereço: 19 S. LaSalle Street, Suite 902, Chicago, IL 60603, USA - Web: http://www.wincite.com/
Cipher Systems
Descrição: Empresa parceira da Lotus Brasil e líder na área de Competitive Intelligence.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FUNÇÕES DO SETOR PÚBLICO

CONCEITOS: CAPITALISMO, SOCIALISMO, COMUNISMO E ANARQUISMO

ALGUMAS QUESTÕES SOBRE SEGURANÇA PRIVADA