SOBRE COMÉRCIO EXTERIOR E CÂMBIO

COMÉRCIO INTERNACIONAL
O comércio internacional consiste no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre diferentes países. A justificativa para esses intercâmbios internacionais baseia-se, fundamentalmente, no fato de que todas as nações possuem recursos e capacidades tecnológicas muito diferentes, proporcionando a um determinado país a especialização na produção de determinado produto por possuir maiores vantagens comparativas.

O comércio internacional facilita a especialização, ao permitir que cada país possa colocar no resto do mundo os excedentes dos produtos em que se especializou

Fatores Explicativos do Comércio Internacional
   Condições climatológicas.
    Riqueza mineral.
    Tecnologia.
    Quantidades disponíveis de mão-de-obra.
    Quantidades disponíveis de capital.
    Quantidades disponíveis de terra cultivável

Medidas Protecionistas ou Intervencionistas
São medidas adotadas para limitar a entrada de determinados produtos em um país.
   Impostos de importação ou tarifas aduaneiras.
   Contingenciamento ou quotas à importação.
   Subsídios à exportação.
   Barreiras não-tarifárias: regulamentações como, procedimentos aduaneiros complexos e custosos e o recurso a normas administrativas de qualidade e sanitárias muito estritas, que acabam discriminando os produtos estrangeiros e favorecendo os nacionais.
As tarifas e os subsídios alteram as vantagens comparativas dos diferentes países e seu efeito é reduzir o comércio (no caso de tarifas) ou aumentá-lo ( no caso de subsídios ) de forma artificial

Justificativas para Medidas Protecionistas
   Proteger uma indústria considerada estratégica para a segurança nacional.
   Incentivar a industrialização e a criação de empregos, através da substituição de importações por produtos nacionais.
   Possibilitar  o desenvolvimento das indústrias nascentes, que não podem competir com indústria desenvolvidas de outros países.
   Combater os déficits que se apresentam entre as exportações e as importações.

Balanço de Pagamento
É um documento contábil que fornece informação detalhada sobre todas as transações econômicas com o exterior, sejam de bens, serviços ou financeiras.

Saldo do Balanço de Pagamento
Saldo do balanço de pagamentos = Saldo do balanço de conta corrente + Saldo do balanço
de conta de capital (sem variação de reservas) = Variação de reservas

O Banco Central reduz suas reservas de divisas quando o balanço de pagamentos tem um déficit, e as aumenta quando o balanço apresenta um superávit.

MERCADO DE CÂMBIO
Conceito: A principal diferença entre o mercado nacional e o internacional, é que, dentro de um mesmo país, o intercâmbio se realiza com a mesma moeda, enquanto no comércio internacional, cada país tem sua própria moeda. Para que isso ocorra deverá existir um mercado onde uma moeda pode ser trocada por outra. Este mercado é chamado de mercado de câmbio ou de divisas.

Taxa de Câmbio
É o preço de uma moeda expressa em outra. A taxa de câmbio expressa-se como o número de unidades da moeda nacional por unidade de moeda estrangeira. Por exemplo, a taxa de câmbio do real frente ao dólar é 5, entregam-se 5 reais para se obter um dólar.

Depreciação e Valorização da Moeda
   Desvalorização cambial: a taxa de câmbio passa de 2,80 reais/dólar a 3,00 reais/dólar – significa que o real desvalorizou-se.
   Valorização cambial: a taxa de câmbio passa de 3,00 reais/dólar para 2,90 reais/dólar – significa que o real valorizou-se.

Uma desvalorização da moeda nacional faz com que nossos bens sejam mais baratos no exterior, e os bens estrangeiros fiquem mais caros no mercado nacional. Conseqüentemente, cria-se uma tendência para elevar as exportações e reduzir as importações.

Taxas de Câmbio Flexíveis ou Flutuantes
Em um mercado livre, a taxa de câmbio que será determinada pelas forças da oferta e da demanda.
   Fatores que geram Oferta de divisas:
   Os turistas estrangeiros
   As exportações nacionais
   Os investidores estrangeiros
   Fatores que geram Demanda por divisas:
   Importações brasileiras
   Investidores brasileiros
   Turistas brasileiros
À taxa de câmbio de 1,00 real por dólar, o mercado está em equilíbrio. Quando o real se desvaloriza, passando a valer 1,20 real por dólar, há um superávit de divisa; quando o real valoriza, passando a valer 0,80 real por dólar, surge um déficit de divisas.

Taxas de câmbio flexíveis e o déficit ou superávit no balanço de pagamento

   Inicialmente, balanço de pagamentos da economia brasileira está em equilíbrio.
   Aumentando a demanda por importações o balanço de pagamentos brasileiro incorre em um déficit.
   O aumento nas importações implicará um aumento na demanda por dólares no mercado de câmbio.
   O real ficará depreciado em relação ao dólar, o que fará com que as importações fiquem mais caras, e as exportações, mais baratas.
   A troca nos preços relativos das exportações e das importações fará aumentar o volume das exportações e reduzir o volume das importações, fazendo com que o balanço de pagamentos alcance equilíbrio.

Limitações do Sistema de Taxas de Câmbio Flexíveis
   Pouca sensibilidade (elasticidade-preço da demanda) da demanda das exportações e das importações. Balanço de pagamento apresenta um déficit e o real se desvaloriza, porém as exportações não aumentam o suficiente, e as importações não reduzem de maneira desejável. Esta situação pode gerar duas complicações, aumentar o preço das importações que incide sobre o custo de vida e também sobre os custos de produção de muitas empresas, influindo, negativamente sobre o preço das exportações.
    Incerteza nas relações internacionais, pois não há como determinar o custo de produto adquirido com pagamento a prazo.
    Ação dos especuladores que adquirem moeda ( real ) valorizada, aguardando o momento da desvalorização para venderem, dificultando assim o processo de ajuste cambial.
 Exs.:
Tx câmbio real/dólar 100 – especulador trocará 1.000.000 de reais por 10.000 dólares.
Tx câmbio real/dólar 130 – especulador trocará 10.000 dólares por 1.300.000 reais, obtendo lucro de 300.000 reais.

Sistemas de Taxas de Câmbio fixas
Padrão Ouro: o valor da moeda nacional define-se em relação ouro e o banco central compra e vende ouro em quantidades ilimitadas. As entradas de ouro provocam uma expansão monetária e as saídas, uma destruição do dinheiro.
   Este sistema começou perder seu vigor em meados de 1914  e após 1929 deixou praticamente de ser utilizado.
FMI- taxas de câmbio ajustáveis: após 1944, foi criado o FMI e este sistema estabelecia taxas de câmbio fixas, porém com uma estreita faixa de 1% ou 2% de ajuste para mais ou menos.
   Este sistema prevaleceu até meados de 1973, após várias desvalorizações do dólar e perda de credibilidade no mesmo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FUNÇÕES DO SETOR PÚBLICO

CONCEITOS: CAPITALISMO, SOCIALISMO, COMUNISMO E ANARQUISMO

ALGUMAS QUESTÕES SOBRE SEGURANÇA PRIVADA