Análise Suzuki GSX 1250FA

Com ABS de série é a sport-touring de alta cilindrada mais barata  até o momento: R$ 39.900

 
 
 
 
 
 
 
Durante a avaliação, a Suzuki GSX 1250FA fez 15,4 km/ o que lhe deixa com autonomia média de 290 km
  • 12 | 13
  • A posição de pilotagem da Suzuki GSX 1250FA é um meio termo entre a esportividade e o conforto
  • Durante a avaliação, a Suzuki GSX 1250FA fez 15,4 km/ o que lhe deixa com autonomia média de 290 km Apesar de seu tamanho e peso, contornar curvas rápidas com a GSX 1250FA pode ser muito divertido Duplo disco dianteiro de 310 mm é mordido por pinças Tokiko e conta com auxílio do ABS A frenagem traseira é feita por pinça única Tokiko que morde disco simples de 240 mm e conta com ABS O assento em dois níveis tem espuma larga e macia, além de ajuste de altura: 805 mm e 825 mm Um bem vindo cavalete central ajuda o piloto na hora de carregar a motocicleta com bagagens A frenagem traseira é feita por pinça única Tokiko que morde disco simples de 240 mm e conta com ABS O motor de tetracilíndrico gera 98 cv a 7.500 rpm e torque de 11,01 kgfm as 3.700 rpm Com uma receita simples, a Suzuki GSX 1250FA é amigável, potente, confortável e prazerosa de pilotar Por R$ 39.900, a GSX 1250FA é a sport-touring de alta cilindrada mais em conta do mercado De ponta a ponta, a Suzuki GSX 1250FA tem mais de dois metros de comprimento e pesa 257 kg A posição de pilotagem da Suzuki GSX 1250FA é um meio termo entre a esportividade e o conforto Por trabalhar melhor em médios regimes, essa Suzuki exige poucas trocas de marcha, mesmo na cidade
     
 
 
 
As motocicletas estão cada vez mais carregadas de recursos tecnológicos voltados para o auxílio do piloto. Porém, às vezes, uma receita simples, pode ser garantia de sucesso. Esse é o caso da Suzuki GSX 1250 FA, que desembarcou no Brasil no meio de 2013. A máquina nada mais é que uma versão carenada da Bandit 1250S: a letra “F” significa fully faired (totalmente carenada) e o “A” é para ratificar a presença do sistema de freios ABS de fábrica. Além disso, outros itens como cavalete central de série, novo painel de instrumentos, suspensão dianteira revisada e novo escapamento a diferenciam da naked.
Fora o equipamento que não permite que as rodas travem, o principal atrativo dessa sport-touring da Suzuki no Brasil é seu preço sugerido, R$ 39.900. Mas, não deixe que o valor e o design conservador enganem você. A GSX 1250FA é um lobo em pele de cordeiro. Ela faz juz tanto a seu lado “Sport”, quanto a seu lado “Touring”. As carenagens e a bolha dianteira protegem o condutor do vento e das adversidades da estrada, enquanto seu motor de quatro cilindros em linha e 1.255 cm³ é capaz de levá-la a mais de 200 km/h com muita facilidade. 
Ciclística agradável
A fim de atingir um meio termo entre o conforto em longas viagens e uma pilotagem mais esportiva, a Suzuki optou por um clássico chassi tubular em aço. Graças à sua boa ergonomia, o piloto consegue permanecer horas e horas sobre a GSX 1250FA. O guidão mais alto, somado à posição das pernas e pés, deixa um bom espaço para a movimentação do corpo do piloto e oferecem muito conforto para os ocupantes, sem perder a esportividade. O assento em dois níveis conta com espuma larga e macia, além de um pequeno apoio para a lombar do condutor. Há também a possibilidade de ajuste da altura do banco, com opções de 805 mm e 825 mm, tornado-a mais democrática. Seu peso total, em ordem de marcha, é de 257 kg, mas esta Suzuki esconde isso com uma ótima maneabilidade. Em movimento, o piloto nem percebe seu peso real.
A carenagem integral e o parabrisa ajudam a tornar a vida do piloto sobre a moto ainda mais confortável. Sem sofrer com a resistência do vento, o condutor consegue percorrer trechos mais longos de maneira mais natural. No entanto, os mais altos ainda receberão um pouco de vento na cara, pois a “bolha” dianteira é um tanto baixa. A Suzuki oferece um parabrisa maior, como acessório, claro. O novo painel de instrumentos conta com tacômetro analógico e velocímetro digital. “Dentro” do conta-giros, há um bem-vindo indicador de marcha engatada e do lado direito, junto ao velocímetro digital, todas as informações básicas são mostradas em tela de LCD, como temperatura do motor, hodômetro total e parcial, medidor de combustível e relógio. 
Simples, o conjunto de suspensão traz garfo telescópico com amortecedores de 43 mm de diâmetro e suspensão traseira com único amortecedor e sistema link progressivo, ambas com ajuste de pré-carga da mola. Com a configuração de fábrica, o conjunto oferece boa estabilidade e copia fielmente as imperfeições do solo. Mesmo com duas pessoas, o amortecimento é eficaz, e apenas em buracos mais fundos a suspensão deu “fim de curso”. Nas frenagens, a frente mergulha com segurança, enquanto a traseira permanece firme, dando maior controle ao piloto. A configuração que sai de fábrica é no meio termo, entre o conforto para longas viagens e a esportividade.
A GSX 1250FA é capaz, sim, de contornar curvas como uma verdadeira superesportiva, principalmente graças à ótima aderência dos pneus Bridgestone Battlax BT021F de medidas 120/70 – 17 na dianteira e 180/55 – 17 na traseira. Muito bem balanceada, a moto requer o mínimo de esforço do piloto, tanto na entrada, quanto na saída das curvas.
Frear essa motocicleta de 257 kg em ordem de marcha não é trabalho fácil. Por isso, a Suzuki equipou a GSX 1250FA com duplo disco dianteiro mordido por pinças Tokiko de quatro pistões, cujo manete é ajustável. Na traseira, disco simples com pinça de um pistão. O freio seria ainda melhor se o ABS fosse um pouco mais suave ao entrar em atuação. Entretanto, o sistema é eficaz e, claro, a última coisa que você irá pensar em uma frenagem de emergência é na suavidade do ABS. O manete da embreagem, que também é ajustável, é um pouco duro e pode ser cansativo quando utilizado por muito tempo no trânsito intenso. 
Motor de 98 cv 
Os números da ficha técnica já indicam que esse propulsor trabalha melhor em médios regimes. O motor DOHC (duplo comando de válvula) de quatro cilindros em linha e 1.255 cm³, 16 válvulas e de arrefecimento líquido atinge seu torque máximo de 11,01 kgf.m logo aos 3.800 giros. A GSX 1250FA libera toda sua força nas primeiras aceleradas de maneira tão silenciosa e suave que o piloto tem que olhar constantemente para o velocímetro para não abusar da velocidade. Com seu motor trabalhando melhor em baixos e médios giros, a 1250FA economiza muitas trocas de marcha do piloto, tanto na cidade, quanto na estrada. Nas ultrapassagens em rodovias, poucas vezes sentimos necessidade de reduzir a marcha.
A cavalaria de “apenas” 98 cavalos de potência as 7.500 rpm não impressiona: se compararmos com outras motocicletas da categoria sport-touring, como a Kawasaki Concours 14 (155 cv). Por outro lado, a Suzuki GSX 1250FA é menos pesada, cerca de 40 kg mais magra. Essas características a tornam uma motocicleta amigável, fácil de pilotar, mas sem deixar seu lado esportivo. Seu tamanho pode assustar, mas a resposta do acelerador é tão suave e linear que compensa a falta do controle de tração. Se tiver um ponto fraco no conjunto transmissão e motor é a caixa de câmbio. Os engates são perfeitos, porém muito duros e barulhentos. 
Durante nosso teste, a Suzuki GSX 1250FA mostrou-se um tanto “beberrona”: média de 15,4 km/l em trechos de estrada e cidade. Dessa forma, seu tanque de combustível com 19 litros de capacidade tem uma autonomia média de 290 km. Ou seja, antes mesmo do condutor se sentir cansado (pilotamos um tanque e meio), a motocicleta já está pedindo mais gasolina. 
Receita Simples, mas funcional
Lembra das festas de 15 anos nas quais você sempre quis dançar com a garota mais bonita da escola, mas quando a levava para a pista de dança você percebia que, apesar de ser linda e arrancar suspiros de todos, ela não tinha conteúdo e não despertava fortes emoções? Pois bem, essa Suzuki é totalmente o contrário. É aquela menina tímida, bonitinha e que não atrai muitos olhares, mas na hora do “vamos ver”, te leva aos mesmos lugares da garota linda, mas de maneira mais racional. Você não precisa ser o garoto mais popular do colégio para arrancar-lhe um sorriso. A simplicidade e a funcionalidade lhe bastam.
E é exatamente assim que o condutor se sente a bordo da GSX 1250FA. Ela não é a mais bonita, nem a mais tecnológica, ou a mais rápida. Porém, por seu valor de aquisição, não há nenhum outro modelo em sua categoria que se equipare a ela. É uma moto “redonda”, gostosa de pilotar, amigável e confortável e condizente com seu preço pelo que oferece. No mercado brasileiro, as concorrentes diretas da GSX 1250FA são bem mais caras, mas oferecem mais tecnologia: Kawasaki Concours 14 (R$ 71.910) e Honda VFR 1200F (R$ 67.583). Ou seja, a sport-touring da Suzuki é sim uma escolha racional e boa para o bolso.
Ficha técnica
SUZUKI GSX 1250FA
Motor Arrefecimento líquido, 16 válvulas, DOHC, quatro cilindros em linha.
Capacidade cúbica 1.255 cm³
Potência máxima (declarada) 98 cv a 7.500 rpm
Torque máximo (declarado) 11,01 kgf.m a 3.700 rpm
Câmbio Seis marchas
Transmissão final corrente
Alimentação Injeção eletrônica
Partida Elétrica
Quadro Tubular em aço
Suspensão dianteira Garfos telescópicos amortecimento hidráulico, mola helicoidal, com ajustes de pré carga da mola
Suspensão traseira Balança articulada tipo link de monoamortecimento hidráulico
Freio dianteiro Disco duplo de 310 mm de diâmetro (ABS)
Freio traseiro Disco simples de 240 mm de diâmetro (ABS)
Pneus 120/70-17 (diant.)/ 180/55-17 (tras.) Bridgestone Battlax BT021F
Comprimento 2.130 mm
Largura 790 mm
Altura 1.245 mm
Distância entre-eixos 1.485 mm
Distância do solo 135 mm
Altura do assento 805 mm / 825 mm
Peso em ordem de marcha 257 kg
Peso a seco Não disponível
Tanque de combustível 19 litros
Cores Branca, Preta e Azul
Preço sugerido R$ 39.900,00
Fontes: motos.icarros.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FUNÇÕES DO SETOR PÚBLICO

ALGUMAS QUESTÕES SOBRE SEGURANÇA PRIVADA

CONCEITOS: CAPITALISMO, SOCIALISMO, COMUNISMO E ANARQUISMO